MULHER-MARAVILHA

Confessamos aqui que adoramos toda a estética criada para o filme.

O roteiro foi muito bem escrito e pensado nos menores detalhes, até mesmo explicando como ela falaria inglês, tudo tem um porquê. Fica claro o motivo do resgate do soldado caído (morte ou coma!?) no mar e o motivo pelo qual a Princesa e Embaixadora das Amazonas da Ilha Themyscira, foi mandada ao “mundo dos homens” para conhecer seus defeitos mais perigosos, mas sem esquecer de propagar a paz, sendo aqui na terra a defensora da verdade e da vida na luta entre os mortais e os deuses. A direção de Patty Jenkins consegue unir tudo com maestria, mesmo tendo o final  “estilo” Hollywood, seu trabalho não é afetado.

Mulher-Maravilha é uma história para apresentar Diana desde sua infância e no meio de seu universo, tudo isso com uma narrativa leve e ótimas cenas de ação. A escolha de Gal Gadot foi perfeita, rebatendo todas as críticas quando anunciaram sua escolha. Como uma Israelense, ex-miss, ex-recruta do exército, ex-modelo e ex-estudante de Direito, sem longa experiência em atuações, faria uma das mais importantes heroínas do universo feminino?  Ela consegue, pois mostra ser forte, feminina e cativante.

“Essa combinação – simplicidade narrativa e conexão emocional – dá a Mulher-Maravilha uma aura de cinema antigo, com uma ingenuidade que se distancia do sombrio e realista para abraçar o fantástico”. Omelete

580546

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s