SILÊNCIO

Mais um filme de Martin Scorsese nas telas, e este traz novamente uma das paixões dele, a religião. Conta a história de dois padres jesuítas portugueses, no século 17, Sebastião Rodrigues e Francisco Garupe, viajam até o Japão em uma época onde o catolicismo foi banido, assim como quase todo o contato externo. A procura do mentor deles, os jesuítas enfrentam a violência e perseguição de um governo que deseja expurgar todas as influências externas.

É um dos filmes mais belos do cineasta, são detalhes de interpretação, de fotografia e cenários que nos deixam ligados intimamente com a história. São debates religiosos em forma de metáforas, o que faz tudo se encaixar de forma elegante.

Este filme é o tipo que fica guardado como arte, e não apenas “mais um” no cinema, devido a todo o cuidado da produção. É baseado em um livro de 1966 o qual Scorsese aguardou efetuar desde os anos 1990, e o fez com êxito e maestria (independente de prêmios).

“Scorsese não julga ninguém. Ele não condena nem a fraqueza do homem, nem, como poderia fazer um de seus mestres, Ingmar Bergman, a insustentável indiferença de Deus por suas criaturas”. Telèrama

103918.jpg-c_215_290_x-f_jpg-q_x-xxyxx

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s