A GAROTA DO LIVRO

Emily VanCamp encarna seu primeiro papel de peso no cinema americano, isso depois do sucesso da série televisiva Revenge. E olha, está bem no papel e consegue segurar o drama de trauma e sofrimento de forma excepcional. A história possui uma complexidade de interpretação grande, pois nos traz à discussão acerca dos traumas psicológicos que a pedofilia, o abuso de vulneráveis e a ausência familiar podem causar.

O roteiro não se aprofunda nas questões psicológicas e permanece na área comum de um drama intenso, Já a diretora Marya Cohn nos ganha em alguns quesitos como os momentos de total silêncio, o que instiga o espectador, e a maneira como retira da protagonista suas nuances mais densas, aqui os mais atentos conseguirão captar esses problemas e relevar a superficialidade, muito pelo esforço de Emily, que busca apresentar os desejos sexuais profundos de uma mulher adulta, como isso a afeta e como consegue criar uma aura de não julgamento pela sua conduta liberal.

“A diretora mostra uma confiança no comando da câmera e um dom para criar personagens femininas muito ricas em sua construção – o que dá grandes esperanças sobre o futuro de sua carreira”. New York Times

 

575427.jpg-c_215_290_x-f_jpg-q_x-xxyxx

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s