X-MEN: APOCALIPSE

O terceiro filme da segunda trilogia dos mutantes da Marvel acerta nas novas versões de heróis clássicos do grupo, como Ciclope e Jean Grey, e traz o espírito do desenho animado da década de 1990. A história é mediana, mas segue rumo para os próximos filmes da franquia.

O herói do título surgiu no Egito Antigo, o Apocalipse era adorado como um deus, ele foi o primeiro e mais poderoso mutante do universo X-Men, acumulou os poderes de muitos outros mutantes, tornando-se imortal e invencível. Ao acordar após de milhares de anos, ele está desiludido com o mundo em que se encontra e recruta uma equipe de mutantes poderosos, incluindo um Magneto desanimado, para purificar a humanidade e criar uma nova ordem mundial.

O longa coloca Mística como uma heroína, porém aparece em cena mais o rosto da Jennifer Lawrence do que a personagem. Isso se explica talvez, como uma maneira de poder explorar a imagem da atriz, que é a querida do cinema atual.

Resumindo, o filme conta com boas atuações, vários bons momentos, uma direção que une bem todas as pontas desta história, mas peca em um roteiro fraco e algumas cenas forçadas. Mas por ser um filme de passagem para uma nova etapa, fica claro que poderá vir coisa boa por aí, conforme a cena pós-crédito apresentada.

“A estratégia do roteiro é emblemática. Destaca um bom inimigo para os heróis, o que é um avanço numa série que abusa de batalhas entre os mutantes, na rusga ideológica entre o conciliador Professor Xavier e o vingativo Magneto”. Folha de São Paulo

X-Men-Apocalipse-2

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s