SENTIMENTOS QUE CURAM

Se tem um ator que, ano após ano, tem se firmado em Hollywood com atuações consistentes, este é Mark Ruffalo. Este é quem sustenta este frágil longa-metragem, calcado especialmente no difícil relacionamento entre pai e filhas.

Investindo forte no tema da família disfuncional, a diretora estreante Maya Forbes basicamente situa todo o longa-metragem nas dificuldades enfrentadas pelo pai ao conviver com as filhas, devido a bipolaridade, e vice-versa. Em momento algum é posto em dúvida o amor que ele sente por elas, apenas a dificuldade em assumir o papel dele exigido pela vida adulta.

Um ponto interessante é o comentário feito por Zoe Saldana em relação à diferença sobre como brancos e negros são vistos pela sociedade quando estão na pobreza, refletindo o preconceito existente nos Estados Unidos.

“Praticamente todos os filmes de Hollywood retratam de maneira simpática doenças mentais. […] Ser louco é a maneira infalível de encontrar o par romântico perfeito. Na vida real, porém, como mostrado no [filme] “Sentimentos Que Curam”, tais distúrbios têm o efeito oposto.” Boston Globe

Sentimentos-que-curam.jpg.300x441_q85_crop

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s