ELSA & FRED

A história deste novo Elsa & Fred, a bem da verdade, traz pouquíssimas diferenças em relação ao original, o espanhol Elsa & Fred – Um Amor de Paixão. A principal mudança fica a cargo do temperamento de Fred: se neste filme Christopher Plummer cria um personagem nitidamente rabugento e de mal com a vida, na versão espanhola cabe a Manuel Alexandre desenvolver um Alfredo mais melancólico, que sente de forma mais nítida o fato de, agora, estar só. Há novidades também nas subtramas, com a inserção de uma historieta envolvendo Picasso e coadjuvantes de pouco destaque, que no fundo não trazem mudança alguma à trama base.

Talvez Elsa & Fred não seja bom como o filme argentino, que não era bom como o de Fellini. Mas ao falar de uma mitômana (Elsa), para iluminar outro mitômano (Fellini), Radford fecha seu filme da maneira mais bela que há. O filme todo Elsa fala do desenho que Pablo (Picasso) teria feito dela. Para Fred é outra de suas mentiras, mas será? O grande luxo de Elsa & Fred está numa assinatura, a da trilha. Quando Nino Rota, seu ouvido musical, morreu, Fellini apelou a Luis Enriquez Bacalov para substituí-lo. Bacalov compôs a trilha de O Carteiro e o Poeta para Radford. Faz a trilha ‘felliniana’ de Elsa & Fred. E ah, sim, num álbum do começo dos anos 1990, Bacalov já reinventara Nino (Luis Bacalov Plays Nino Rota). Um filme com esse grau de carinho merece respeito.

download

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s