ERA UMA VEZ EM NOVA YORK

Era Uma Vez em Nova York é acima de tudo um drama sobre pequenos laços. Na trama, situada na década de 1920, a imigrante polonesa Ewa Cybulski aceita ser acolhida pelo cafetão Bruno, na esperança de ajudar sua irmã a também entrar em Nova York. Paralelamente, o ilusionista Emil, primo de Bruno, se envolve com Ewa e promete ser a sua salvação.

Enquanto Bruno encarna a versão mais cruel da terra das oportunidades, Emil personifica, com seus números de mágica, outra promessa: a da América como o mundo dos sonhos que se realizam.

O gênio de James Gray reside em estabelecer laços, portanto, onde eles não existem. É um processo civilizatório o de Era Uma Vez em Nova York, embora o filme trate de crimes hediondos, e diversos graus de relacionamento se constróem diante de nós: desde um momento de violência, diante de uma fotografia de família vista numa estante, até um instante de abandono, em que o mais trágico desses três fantasmas sem história de fato se revela ao espectador como um espectro, no reflexo de uma janela, a desaparecer.

“Era Uma Vez em Nova York tem muitos momentos de força excepcional e rara delicadeza, nenhum mais potente do que a última cena, que atinge um equilíbrio visual assombroso entre os personagens de Ewa e Bruno”. Chicago Sun-Times

era-uma-vez-em-nova-york

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s